terça-feira, 3 de junho de 2008

Dentro


O mar, sempre tan fermoso, mas
o ceo que nel se reflicte
e as barcas
só son a maquillaxe coa que se
adorna
no silencio e na ingravidade
coñeces
que o verdadeiramente belo
gardao dentro
onde el é todo
e ti pouquiña cousa

7 comentários:

Raul Martins disse...

Por dentro das coisas é que as coisas são. Têm razão os nossos poetas!

rui disse...

Porém isto é somente para gente "velha" coma nós, hoje o verdadeiramente importante é a pele, mesmo se o de dentro está podre.
Saudações, Martins.
(em galego dizemos saúdos, apertas, biquinhos...)

Anabela Magalhães disse...

Gostei do título da postagem e da dita também, e concordo, no geral, com o Raul. O mar é par mim uma excepção. Para mim o mar é para contemplar, sempre, sempre de terra firme. De fora, portanto.
Sou definitivamente um animal terrestre. :)

Anabela Magalhães disse...

Ah, e alguém falou aqui de gente velha??!!! O que é isso??!!
Alguém que me explique por favor!!
:D

rui disse...

Era somente uma licença poética!
(bem... também esses dias encontrei mais cabelos brancos no espelho...)

zeltia disse...

Non sei se iso que chamas verdadeiro belo me parece belo a min,
terrible,
monstro de fauces líquidas e oscuras.
Medio hostil.
Gústame ver o mar é. Pero ás veces arrepíame.

Vou ver se retomo a lectura onde a deixara. Aquel mozo que me fala no presente dende o pasado,
nun país estranxeiro,
coa súa gana de aprender,
coa súa morriña
co seu amor gardadiño no peito.

rui disse...

Se bucearas algún día con botellas entenderías do que falo. Eu xa hai moitos anos que non o fago, pero era moi fermoso o mar por dentro, ese silencio interrumpido continuamente polo son das burbullas, esa inmensidade envolvéndote, esa luz filtrada, e as algas levadas polas correntes... e ti alí, no medio, como un bicho torpe... como un extraterrestre gozando doutro mundo.